Quem Somos

Por entender que a ciência do Ceratocone vem evoluindo a passos rápidos, é preciso ter a confiança de que você está sendo atendido por um profissional qualificado e atualizado com os melhores tratamentos. Por isso, o CONUS surge focado exclusivamente no tratamento e acompanhamento do ceratocone. Com profissionais de excelência, todo o cuidado na individualidade do paciente é tomado para que chegue-se à melhor solução diagnóstica e terapêutica do portador de ceratocone. Procure um de nossos centros e saiba todas as formas como podemos ajudá-lo.

Fale Conosco

Atendimento diferenciado

Alta tecnologia para diagnóstico e seguimento propedêutico.

Crosslinking

Crosslinking corneano.

Lentes de Contato Especiais

Centro avançado de adaptação de lentes de contato especiais.

Transplante de Córnea

Equipe capacitada nas diversas técnicas realizadas atualmente.

Anel Intracorneano

Divisão de planejamento e implante de anel intra-estromal.

Núcleo de P&D

Núcleo de Treinamento, Cursos e Workshops.

CONHEÇA OS CLÍNICAS CERTIFICADAS CONUS NO BRASIL


O que é Ceratocone?

O que é Ceratocone?

O ceratocone é uma doença degenerativa da córnea na qual ocorre afinamento central ou paracentral, geralmente inferior, resultando no abaulamento anterior da córnea, na forma de cone. A apresentação é geralmente bilateral e assimétrica. Os sintomas apresentados pelo paciente no início da doença são desconforto visual, dor de cabeça, fotofobia, baixa da acuidade visual e troca frequente das lentes dos óculos. A maior incidência da doença pode ser encontrada em pacientes da segunda e terceira décadas de vida com alergia ocular e que coçam os olhos com maior frequência.


Nas fases mais avançadas, a correção visual com óculos já não garante uma boa visão e as lentes de contato passam a ser uma opção e reabilitação visual. Entretanto, o paciente precisa da adaptação correta para garantir melhor tolerância e saúde ocular. "Nos casos em que os óculos e as lentes não conseguem mais garantir uma visão adequada, podem ser necessários procedimentos cirúrgicos como o implante de anel intraestromal ou o transplante de córnea.

Como é feito o Diagnóstico?

O diagnóstico do ceratocone tem aumentado muito nos últimos tempos devido à maior disponibilidade de métodos de rastreamento como a topografia corneana. Este exame mostra a forma da córnea e por isso permite identificar o ceratocone.


Atualmente, o diagnóstico pode ser realizado através da Tomografia da Córnea (Galilei e Pentacam), o que representa uma nova revolução com o diagnóstico precoce, que permite a avaliação do mapa topográfico como também o mapa da espessura da córnea e elevação da córnea posterior com um acompanhamento detalhado da patologia.

Diagnóstico

Tratamentos do Ceratocone

Lente de Contato

O uso de lentes de contato em pacientes com ceratocone é considerado quando os óculos não possibilitam boa visão. Ao adaptar uma lente de contato, o oftalmologista busca condições que possibilitem uma adaptação mais fisiológica, em que ocorra uma menor agressão à córnea com menor probabilidade do desenvolvimento de complicações. Há vários desenhos de lentes de contato que podem ser utilizados na correção óptica do ceratocone, dentre eles: lente esférica monocurva; lente asférica; lente Soper; lentes tóricas; lentes multicurvas; lentes esclerais, entre outras. Dependendo do estágio de evolução da doença deve-se avaliar qual o desenho mais apropriado.

Crosslinking

A técnica consiste na aplicação de um colírio a base de riboflavina, a qual é ativada por meio de um feixe especial de luz ultravioleta, determinando a remodelação e união das fibras de colágeno, o que resulta no aumento da resistência estrutural da córnea. Dessa forma, as chances de progressão do ceratocone são minimizadas, muitas vezes retardando e até mesmo evitando um futuro transplante de córnea, pois haverá um fortalecimento da sua estrutura e aumento da sua resistência, reduzindo a chance de progressão do abaulamento corneano, responsável pelo alto astigmatismo e pela perda progressiva da visão.

Anel Intra-estromal

Consiste no implante de um anel de PMMA (um polímero acrílico, inerte), no interior do tecido corneano (estroma). Trata-se de procedimento realizado no centro cirúrgico, sob anestesia local. O implante fará com que a superfície anterior da córnea fique mais regular, diminuindo a irregularidade do astigmatismo corneano. O resultado é a melhora do padrão topográfico e consequentemente da acuidade visual. Por se tratar de um procedimento menos invasivo, o anel intracorneano apresenta um menor índice de complicações que o transplantes, tendo vantagens tais como a possibilidade de remoção do anel em caso de complicações.

Transplante

O transplante de córnea é indicado quando a transparência ou a curvatura da córnea estão muito alteradas, não permitindo uma boa visão, mesmo utilizando outros recursos disponíveis. Ele consiste na substituição da córnea alterada por uma córnea doadora. É um procedimento consagrado para o tratamento das formas severas de ceratocone. Por se tratar de um procedimento que necessita de um doador e que envolve complicações, tais como rejeição, o transplante de córnea é considerado hoje a última alternativa para tratamento do ceratocone. O período crítico para rejeição é o primeiro ano. Porém, o paciente pode apresentar rejeição em qualquer estágio evolutivo.

Conheça as Clínicas Certificadas CONUS no Brasil